Warning: preg_match() [function.preg-match]: Unknown modifier 't' in /home/edufinan/public_html/wp-content/plugins/mobile-website-builder-for-wordpress-by-dudamobile/dudamobile.php on line 603
Pague primeiro as dívidas com juros mais elevados | Instituto de Educação Financeira

Artigos

Pague primeiro as dívidas com juros mais elevados

Erro comum entre os endividados é priorizar quitação de débito maior

Troca de empréstimo caro por outro mais barato é estratégia vantajosa para organizar finanças

Um erro comum de quem está endividado é priorizar o pagamento do débito de maior valor. O recomendado é pagar aqueles que têm os maiores juros ou multas, afirmam especialistas. Isso porque as taxas fazem o total devido aumentar com o tempo.

“É preciso verificar qual dívida tem o maior custo efetivo total, que envolve todas as taxas cobradas”, diz Miguel Oliveira, coordenador de estudos econômicos da Anefac (associação dos executivos de finanças).

“Quanto maior o custo total, mais cara é a dívida, ou seja, mais o consumidor paga ao banco para usar aquele empréstimo”, acrescenta.

A dívida mais cara cresce mais rápido que a mais barata. Portanto, quando é mantida em atraso por mais tempo, ela causa um prejuízo maior ao bolso do consumidor, afirma Oliveira.

A troca de um empréstimo mais caro (com juro maior) por outro mais barato (juro menor) também é uma estratégia vantajosa –por exemplo, a substituição de uma dívida no cartão de crédito, a modalidade mais cara entre as disponíveis, por outra no empréstimo consignado.

Nessa modalidade, que tem as taxas menores, as parcelas são descontadas na folha de pagamento. Vale destacar, porém, que o crédito consignado é restrito a funcionários de empresas que tenham convênios com bancos.

A taxa de juros do consignado é, em média, 1,82% ao mês (ou 24,2% ao ano), segundo dados do Banco Central de maio, os mais recentes disponíveis. Já a do rotativo do cartão é de 9,41% ao mês (ou 194,23% ao ano), segundo estimativa da Anefac, já considerando o novo juro básico (a Selic), de 8,5% ao ano.

“Essa estratégia é válida desde que, após o pagamento do cartão, o consumidor não volte a fazer dívidas que se somem à do empréstimo consignado”, diz Oliveira.

Pesquisa realizada pelo SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela Confederação Nacional do Comércio em junho mostrou que 72% dos consumidores entrevistados não sabiam o quanto pagavam de juros no rotativo do cartão de crédito.

O perfil de crédito do brasileiro tem mudado e de forma positiva, segundo o consultor de finanças pessoais do Itaú, Jurandir Macedo.

“Dados do Banco Central mostram que, nos últimos 12 meses, o número de tomadores de crédito consignado, que tem juros baixos, cresceu 20,8%”, afirma.

O número de tomadores de empréstimo para pagamento à vista do cartão de crédito –modalidade, em geral, mais cara que as demais– também cresceu no período: 15,4%.

“A migração para modalidades mais baratas mostra o início de um processo de amadurecimento do consumidor. Crédito pode ser muito positivo ou muito negativo, dependendo da forma como é utilizado”, afirma.

Do jornal Folha de São Paulo

Você gostou deste artigo? Compartilhe:

Deixe seu recado