Warning: preg_match() [function.preg-match]: Unknown modifier 't' in /home/edufinan/public_html/wp-content/plugins/mobile-website-builder-for-wordpress-by-dudamobile/dudamobile.php on line 603
Jovem empresta cheque em branco, toma prejuízo e perde amiga | Instituto de Educação Financeira

Artigos, Finanças Pessoais

Jovem empresta cheque em branco, toma prejuízo e perde amiga

Quando Junia Gòmez deu um cheque em branco e assinado para uma amiga, imaginou que estava apenas fazendo um favor. Mas acabou perdendo quase R$ 600 – e a “amiga”.

“Na hora, realmente, não vi maldade nenhuma. Eu juro, confesso que nem sequer passou pela minha cabeça que ia ter um transtorno”, enfatiza a coordenadora de uma empresa de comunicação. “Era minha amiga pessoal e profissional, e uma pessoa que eu confiava. Frequentava minha casa”, diz.

Junia conta que a amiga pediu o cheque para ir ao salão de beleza, pois estava “muito deprimida, para baixo, e queria muito fazer o cabelo”. A princípio, disse que era um valor de R$ 200. “Mas quando fui preencher o cheque, ela disse que não tinha certeza se eram R$ 200 ou R$ 220. Então, pediu para deixar o cheque em branco”, recorda.

“Na verdade, ela garantiu que o cheque nem seria descontado, pois seria pré-datado e ela levaria o dinheiro ao salão antes da data. Caso acontecesse alguma coisa, como o cheque ser descontado antes do prazo, ela disse que me pagaria”, conta Junia.

Dias depois, a má notícia: o cheque havia sido descontado em um valor de quase R$ 600. A amiga que tinha pedido o cheque disse que o salão foi roubado, e por isso não teria como devolvê-lo. “Mas, quando fui ver, o cheque foi descontado pelo salão”, destaca. “Sobre o valor três vezes maior, ela nem sequer comentou”, complementa.

“Ela foge de mim”

A partir do acontecido, a amiga com que Junia tinha contato “quase diário”, começou a ficar “difícil de achar”. “Eu, na verdade, fui muito burra, porque não era uma amiga de infância. Depois, vi que ela frequentava muito a minha casa, e eu nunca fui à casa dela”, lamenta-se.

Use o cheque com segurança
Emita sempre cheques nominais e cruzados
Ao preencher cheques, elimine os espaços vazios, evite rasuras
Evite circular com talões de cheques
Destrua os talões de contas inativas
Não utilize caneta hidrográfica ou com tinta que possa ser facilmente apagada. Evite canetas oferecidas por estranhos
O cheque (mesmo o pré-datado) é uma ordem de pagamento à vista e pode ser descontado imediatamente
Ao sustar o cheque, você não estará livre da obrigação de pagamento, exceto em casos de perda, furto ou roubo, com apresentação de boletim de ocorrência
Em caso de roubo ou extravio de cheques, comunique imediatamente a sua agência bancária e faça um boletim de ocorrência
Fonte: Febraban

Para entrar em contato e buscar o paradeiro do cheque perdido, Junia usou o número de celular que a ex-amiga postou no próprio Facebook (rede social na internet) para outra pessoa.

“Liguei e ela disse que nem se lembrava de mim, que não sabia nem quem eu era. Mas fui relatando os fatos e ela acabou se lembrando, rapidinho”, conta Junia.

Mais tarde, a amiga a bloqueou no Facebook. “Minha mãe, marido, amigos e irmão já ligaram para ela, que já trocou o número do telefone várias vezes. Lógico que não é mais minha amiga. Ela foge de mim que nem o capeta foge da cruz”, acrescenta. A jornalista diz que ainda pretende processar a ex-amiga. “Vai que meu cheque cai nas mãos de criminosos”, teme ela.

“Pior do que o calote foi a vergonha por ter sido ingênua. Dinheiro, cheque, cartão: nunca mais empresto nada para ninguém”, afirma Junia. “Depois dessa vez, nem tirei mais talão. Fiquei tão traumatizada, que pedi até para o banco parar de emitir”.

Nome sujo

Caso parecido foi o do publicitário Anderson Salgueiro, que se enrolou em dívidas e ficou com o nome sujo depois de também ajudar um amigo emprestando folhas de cheque.

Há dez anos ele preencheu, assinou e entregou 24 cheques de R$ 150 ao amigo, que comprou um computador para ajudá-lo nos estudos. “Dava uns R$ 3,6 mil, que era o suficiente para ele comprar um bom computador, monitor, impressora. Só não dei o móvel”, conta Salgueiro. “Ele só pagou os três primeiros cheques, e parou”.

“A gente tinha 18, 19 anos de idade. E ele era meu vizinho, amigo já há sete anos, quase um irmão. Era uma amizade bem forte: ele contava comigo e eu, com ele”, lembra Salgueiro.

Salgueiro conta que o hoje ex-amigo queria passar em um concurso público e por isso pediu ajuda financeira para comprar o computador. O publicitário diz que, em momento algum, achou que pudesse ser enganado. “Não pensei nisso, mas sim em ajudar um amigo que estava precisando estudar. Ele era muito estudioso, eu via isso nele”, recorda.

O ex-amigo garantiu que não iria deixar Salgueiro na mão em hipótese alguma. “Eu avisei a ele: ‘Cara, não tenho como cobrir esses cheques!’ Ele respondeu: ‘Eu passo fome, mas cubro’”, conta o publicitário que, na época, trabalhava como suporte de informática em uma empresa.

“Ganhava um salário de R$ 700, mas tinha que pagar minhas contas e ainda ajudava em casa”, recorda Salgueiro, que não conseguiu cobrir a dívida e acabou ficando com o nome sujo no Banco Central e nos serviços de proteção ao crédito.

Dívida foi paga com dinheiro de rescisão de emprego

O publicitário chegou a pegar o computador de volta, mas, ainda assim, apostava no ex-amigo. “Deixei um computador pior com ele, que montei com a ajuda de outro amigo. E cobrei dele pelo menos a metade do dinheiro. Mas, apesar disso, ele não pagou”, explica ele. “Deve ter coberto uns cinco cheques, no máximo”, complementa.

Salgueiro só conseguiu pagar a conta atrasada dois anos depois, em 2003, quando saiu da empresa onde trabalhava. “Recebi uma grana e pensei: ‘Vou limpar meu nome.’ Já tinha passado tanto tempo que consegui um acordo com o banco, e paguei o valor de face dos cheques restantes, sem juros”, conta.

“O maior problema não foi o cheque, ou eu ter sido ingênuo, ou ter passado por dificuldades. O maior problema foi ter ouvido da boca do meu amigo: ‘Você confiou em mim porque quis’”, ressalta o publicitário. “Eu me senti muito mal, desprezado. Nunca esperei que ele falasse isso. Os amigos em comum também se decepcionaram. Era um grande amigo. Hoje, não é mais”, complementa.

“Parei de usar cheques. Fiquei um pouco traumatizado. Para evitar dores de cabeça, acho melhor usar cartão de crédito”, conta Salgueiro. “Eu conto essa história para alertar as pessoas, que devem sempre tomar cuidado, mesmo quando se trata de ‘um amigo, irmão de fé’”.

“Eu me arrependo muito. Hoje, falo que não empresto cheque nem para a minha mãe”, conta.

Dicas da especialista

A professora de finanças da Fundação Getúlio Vargas, Myrian Lund, alerta: nunca assine um cheque em branco, nem para deixar guardado na própria bolsa. Emprestar para alguém então, nem pensar.

“Nunca faça isso, para não ter risco de cair nas mãos de quem você não quer. Mesmo que seja para uma pessoa que você confie, há o risco dela perder”, diz a professora.

Segundo Myrian, a orientação para todo e qualquer cheque é: sempre o faça nominal, completamente preenchido, assinado e cruzado. “Assim pelo menos a pessoa tem que depositar na conta, e você tem o tempo de tentar evitar que ele seja compensado em caso de problemas”, ensina.

De acordo com a professora, Junia poderia ter escapado do prejuízo se tivesse pedido o nome do salão a ser pago antes de fazer um cheque nominal para a colega.

“Só se entrega cheque nominal. Quando você usa esse artifício e pede mais detalhes, você vai descobrindo se a pessoa está mentindo ou não. Provavelmente essa menina não foi ao cabeleireiro. Se ela perguntasse o nome ela não saberia responder, diria que ia checar e provavelmente desistiria”, avalia. “Cheque é só assinado, nominal e cruzado”.

Amizade x dinheiro

Já Anderson, na avaliação da professora, cometeu um erro que poderia ter ocorrido em qualquer tipo de meio de pagamento: emprestar dinheiro que ele não tem. Lembre-se de que um cheque é uma promessa de pagamento e nunca, em nenhuma circunstância, emita um cheque se você não tiver fundos para cobrir.

“Você só empresta o que está sobrando. Não posso emprestar o que eu não posso pagar em caso de inadimplência da pessoa. Mesmo que o amigo agisse de boa fé, mas ficasse doente ou morresse, ele ficaria com o nome sujo”, diz.

Para ela, nos dois casos, uma simples atitude poderia ter resultado em desfechos menos traumáticos: separar a amizade dos negócios.

“São lições que a vida vai ensinando. As vezes a gente é boa, não é capaz de fazer uma coisa dessas, então não imagina que alguém faria. Pode ser um amigo ou amiga, mas na hora da dificuldade é que a gente conhece a índole das pessoas, se ela vai roubar ou buscar outra solução”, diz a professora, que recomenda que medidas de precaução sejam tomadas até no caso de empréstimo a parentes próximos.

“O melhor é não emprestar e pensar: por que essa pessoa não pede no banco? Tem restrição de crédito? Se foi mau pagador com o banco, poderá ser com você também”, alerta.

Do Portal G1

 

Você gostou deste artigo? Compartilhe:

Deixe seu recado