Warning: preg_match() [function.preg-match]: Unknown modifier 't' in /home/edufinan/public_html/wp-content/plugins/mobile-website-builder-for-wordpress-by-dudamobile/dudamobile.php on line 603
Ibovespa x LFT: o topo ou o fundo do poço? | Instituto de Educação Financeira

Artigos, Bolsa de Valores

Ibovespa x LFT: o topo ou o fundo do poço?

A última década foi repleta de fortes oscilações no principal índice de ações brasileiro. O Ibovespa chegou a marcar 8.370 pontos em 16 de outubro de 2002, para seis anos depois atingir o pico histórico. Em 21 de maio de 2008, o índice chegou a 72.294 pontos, como pode ser visto no início do gráfico abaixo.

Ibovespa x CDI TOPO

Naquele ano, muitas pessoas resolveram aderir ao mercado de ações. O número de investidores chegou a 516.757 em junho de 2008, cinco vezes mais do que no fechamento do ano de 2004. Muitas dessas pessoas entraram no mercado motivadas pelo desempenho passado e acreditando que obteriam grandes rendimentos no curto prazo.

Acontece que o mercado tende a oscilar entre euforia e depressão. Qualquer boa notícia pode fazer com que as cotações subam muito, em geral muito mais do que o justificado. Da mesma forma ocorre com uma notícia ruim: as cotações despencam.

Boa parte dos novos investidores ganhou mesmo foi em número de noites mal dormidas. Cinco meses após atingir o pico, o Ibovespa recuou 60% e chegou ao patamar mais baixo do período: 29.435 pontos, no dia 27 de outubro de 2008.

 Ibovespa x CDI Base

Nos gráficos é possível ver a comparação entre alguém que investiu R$ 100 em Ibovespa ou LFTs (Letras Financeiras do Tesouro), no topo ou no fundo do poço.

O que isso quer dizer?

Não sei. Mas se você souber, por favor explique nos comentários.

Jurandir Sell Macedo é consultor de Finanças Pessoais do Itaú Unibanco, professor da UFSC e fundador do IEF.

Facebook Twitter 

Você gostou deste artigo? Compartilhe:

6 comentários to “Ibovespa x LFT: o topo ou o fundo do poço?”

  1. As pessoal procuram especular de maneira errada.

    Apesar de saberem da máxima “comprar em baixa/vender em alta”, as pessoas são atraídas pelo otimismo do mercado e acabam se deixando levar por notícias que prometem alto rendimento no ativo X ou Y.

    Por fim, acabam se juntando ao “efeito manada”, comprando os ativos em alta e automaticamente contribuindo para sua queda pela lei da oferta e demanda.

  2. Olá Tiago, se você for um especulador deve compra na alta e vender na baixa ao contrário da sua máxima.

    Entretanto para a imensa maioria das pessoas o que recomendo é que acreditem na eficiência dos mercados e assim devem comprar aos poucos ao longo de toda sua vida produtiva, e quando se aposentarem podem viver com os dividendos ou ir vendendo aos poucos sua carteira.

  3. Professor, também é possível manter uma parte do capital só para especular e ir comprando mais ações com os lucros?

  4. Luciano é justamente assim que eu faço com minha carteira, uma parte eu separo para especulação e outra eu tenho gestão totalmente passiva. Infelizmente minha carteira de gestão ativa rende menos que a passiva. Acredito que é porque eu tenho pouca experiência com o mercado, são apenas 29 anos, assim tenho esperança que um dia vou aprender como o mercado funciona e vou ganhar mais como especulador. Neste dia vou fazer como dizem estas pessoas que dão cursos de especulação, vou morar de frente para o mar e trabalhar comprando e vendendo ações.
    Aliás, sempre me pergunto por que estas pessoas continuam dando cursos se sabem tão bem ganhar dinheiro especulando?
    Se você quer divertimento, especule. Se quer ganhar dinheiro, invista.

    • obrigado, Professor. Vou continuar investindo, mas vou manter um pouquinho para o divertimento.

    • Realmente interessante sua resposta Professor! Especulação é legal, dá dinheiro… Até que uma hora o índice derrete e o capital investido vai junto…

Deixe seu recado