Warning: preg_match() [function.preg-match]: Unknown modifier 't' in /home/edufinan/public_html/wp-content/plugins/mobile-website-builder-for-wordpress-by-dudamobile/dudamobile.php on line 603
Gastar melhor deve ser o foco dos investidores | Instituto de Educação Financeira

Finanças Pessoais, Notícias

Gastar melhor deve ser o foco dos investidores


do Diário do Nordeste

Especialista afirma que consumidor não pode confundir a compra supérflua com um desperdício de dinheiro

Muito mais que gastar pouco, o foco para quem pensa em poupar para investir é conseguir gastar melhor. Segundo o professor de finanças pessoais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Jurandir Sell Macedo, é preciso entender que a educação financeira não aprisiona, ao contrário, ela melhora a vida das pessoas. “Ainda é um tabu falar de dinheiro, mas ele é um lubrificante da vida. Não se pode pedir para as pessoas deixarem de consumir. O que também não pode é ser consumista. Assim, ninguém consegue pensar em poupar”, diz.

O economista, que esteve ontem na Expo Money, explica que um erro comum é confundir supérfluo com desperdício. “Para mim, que gosto de viajar e fazer trilhas de bicicleta, investir em um equipamento moderno e um pouco mais caro é um supérfluo, com o qual eu posso comprometer o meu orçamento para lazer com essa compra. Já para quem a utiliza somente aos feriados, para um passeio rápido, uma bicicleta cara e cheia de ferramentas é um desperdício, qualquer uma funcionaria, além disso é um dinheiro morto”, exemplifica.

Maior interesse

Para ele, aos poucos, a cultura da educação financeira está se firmando no País, sobretudo porque há quase duas décadas, quando ainda existia o fantasma de 50% de inflação, pensar em planejar as finanças era tarefa complicada. Gerações inteiras ainda vivem o reflexo negativo desse período. Por isso mesmo, os pais de hoje não são mais os grandes exemplos de educação financeira. Jurandir diz, por exemplo, que a sua disciplina na UFSC, que é aberta a todos os cursos, já é a mais procurada pelos alunos de toda a Universidade. “O jovem de agora pensa no futuro, pensa em investir, em empreender e busca informação para fazer isso desde cedo”, afirma. Outra mudança que confirma essa preocupação, de acordo com ele, é o acréscimo no número de investidores na Bolsa. Se em 2002 eram apenas 72 mil, hoje já são mais de 600 mil.

O professor acredita que essa transformação não é apenas uma moda, mas uma necessidade que perpassa grandes instituições financeiras, que têm se preparado cada vez mais para atender essa demanda e investido em diversificar informações para seus clientes direta e indiretamente. “O Expo Money, evento totalmente gratuito, é patrocinado por grandes bancos”, afirma. Assim, ganham as duas partes. Com mais informação, o cliente terá condições de rentabilizar seus investimentos e os bancos crescem junto.

“Doentes do bolso”

Durante a Expo Money, além das rodadas de palestras que orientavam desde a ensinar a poupar até a entender o mercado de ações no Brasil, um serviço importante esteve disponível gratuitamente para os participantes: a clínica financeira. Augusto Sabóia, consultor de planejamento financeiro familiar, explica que o atendimento é pontual e é baseado em questionário preenchido por cada endividado. “É uma espécie de pronto socorro. Depois do diagnóstico, nós entramos com a consultoria, que dura cerca de uma hora. O problema é que cerca de 80% dos “doentes do bolso” mentem na hora de passar as informações para os consultores”, ressalta. A maior parte dos problemas, segundo ele, está mesmo em assumir dívidas que fogem da receita mensal. Em Fortaleza, em dois dias, cerca de 20 pessoas foram atendidas.

Você gostou deste artigo? Compartilhe:

Deixe seu recado