Warning: preg_match() [function.preg-match]: Unknown modifier 't' in /home/edufinan/public_html/wp-content/plugins/mobile-website-builder-for-wordpress-by-dudamobile/dudamobile.php on line 603
Cresce número de famílias brasileiras em condições de pagar o que devem | Instituto de Educação Financeira

Finanças Pessoais, Notícias

Cresce número de famílias brasileiras em condições de pagar o que devem

A taxa de desemprego em baixa ajudou os brasileiros a honrar suas dívidas. Uma pesquisa entre moradores de capitais estaduais e do Distrito Federal concluiu que o percentual de famílias sem condições de pagar as contas em atraso está no menor nível desde 2010.

Sala lotada, às 9h, aula de educação financeira. Todo mês, 500 pessoas fazem um curso para aprender a se livrar do aperto. Dona Roseli fechou a mão no fim do ano: “Não compramos nada. Só paguei as contas”, afirma.

Marilda tem um discurso ensaiado. “Esse ano eu vou priorizar o pagamento de todas as dívidas”, garante.

Elas não são as únicas preocupadas em organizar o orçamento. Em janeiro do ano passado, quase 8% das famílias consultadas pela Confederação Nacional do Comércio diziam não ter condições de pagar as dívidas.

Agora, o total recuou para 6,9%. Também é menor o grupo dos consumidores com dívidas em atraso: menos de 20%. Assim como o dos que declararam ter alguma dívida no comercio: abaixo de 59%.

Economistas dizem que o número de endividados vem caindo porque o desemprego está menor. Além disso, a renda aumentou nos últimos anos. Mas só trabalho e mais dinheiro não bastam para deixar as contas em dia. Para os especialistas, a melhora nos indicadores de dívidas não seria possível se os consumidores não estivessem mais cautelosos.

“O consumidor está mais disciplinado, é mais maduro, sabe controlar adequadamente o seu orçamento. As pessoas sabem, estão aprendendo essas técnicas, têm que procurar o credor e tentar de alguma maneira negociar”, avalia Antonio Carlos Borges, diretor da Fecomércio-SP.

Negociação que muitas vezes começa em casa e continua na loja. “A mulher já está procurando alguma coisa e eu estou aqui querendo saber o que é porque não sei se vai caber. A gente tem que fazer o planejamento. Não é só ter a vontade de comprar”, diz o bancário Rogério Attala.

Do Portal G1
Você gostou deste artigo? Compartilhe:

Deixe seu recado