Warning: preg_match() [function.preg-match]: Unknown modifier 't' in /home/edufinan/public_html/wp-content/plugins/mobile-website-builder-for-wordpress-by-dudamobile/dudamobile.php on line 603
Aposentadoria do INSS bate a previdência privada | Instituto de Educação Financeira

Finanças Pessoais

Aposentadoria do INSS bate a previdência privada

Autônomos que contribuem pelo teto da previdência social têm ganho maior pelo governo do que em planos particulares oferecidos por bancos e seguradoras.

Muitos torcem o nariz ao falar da Previdência Social brasileira. A maioria dos contribuintes acha o regime injusto, reclama do valor da aposentadoria e, principalmente, do fator previdenciário. Mas quando são comparados o regime do INSS e o da previdência privada, o primeiro leva vantagem. O DIÁRIO simulou quanto um segurado receberia de benefício se contribuísse pelo mesmo período e com o mesmo montante para o INSS e para previdência privada.

“Do ponto de vista da cobertura, a Previdência social compensa, O rol de benefícios é maior. Para ter a mesma cobertura (seguro-desemprego, auxílios doença e acidente) e uma aposentadoria semelhante, o segurado pagaria mais na previdência privada”, afirma o consultor Newton Conde.

Os números confirmam essa afirmação. Uma mulher que contribuir com a alíquota máxima (20%) pelo teto da previdência (R$ 831,80) por 30 anos e se aposentar aos 60 teria uma renda vitalícia de R$ 2.579,85 na previdência privada e de R$ 3.741,29 no INSS. Um homem que recolher 20% sobre o teto do governo por 35 anos e se aposentar aos 65 anos teria uma aposentadoria de R$ 4.205,17 na primeira (levando em conta uma rentabilidade anual de 4%, considerada alta por especialistas) e R$ 4.055,56 no INSS.

A previdência privada funciona como uma poupança. Quanto maior a rentabilidade, maior será, lá na frente o valor a ser resgatado – ou a aposentadoria mensal a receber. O teto do INSS é definido pelo governo.

Os trabalhadores em regime CLT têm a contribuição automática para o INSS, mas o valor da alíquota varia conforme o salário. Já os autônomos podem escolher a porcentagem da contribuição. “As pessoas devem contribuir sempre para a Previdência Social e com o máximo que puderem. Alguns pagam pelo salário mínimo e quando precisam do benefício ficam restritos a essa renda”, explica Jurandir Sell Macedo, consultor de finanças pessoais do Itaú e professor de finanças pessoais da Universidade Federal de Santa Catarina.

Veja a arte em PDF

Do Jornal Diário de São Paulo
Você gostou deste artigo? Compartilhe:

Deixe seu recado