Warning: preg_match() [function.preg-match]: Unknown modifier 't' in /home/edufinan/public_html/wp-content/plugins/mobile-website-builder-for-wordpress-by-dudamobile/dudamobile.php on line 603
Abrinq espera crescimento de 14% nas vendas de brinquedos | Instituto de Educação Financeira

Finanças Pessoais, Notícias

Abrinq espera crescimento de 14% nas vendas de brinquedos

Valorização do real impediu que brinquedos nacionais ganhassem mercado frente aos importados chineses

A Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos espera vendas de R$ 1,995 bilhão para o Dia das Crianças, compondo 35% do faturamento anual, que pode chegar a R$ 5,7 bilhões.

A maior parte desse avanço deverá vir das regiões Norte e Nordeste onde, segundo Synesio Batista da Costa, o Brasil “cresce diferente”.

No entanto, em São Paulo, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio) não espera um grande salto nos números.

O aquecimento das vendas deve ficar entre 0% e 2%, inferior ao do ano passado.

Câmbio

Mesmo com o crescimento, Costa defende que esse é um ritmo próximo ao mínimo para garantir o avanço da indústria nacional. “A compra desse produto é represada durante o ano inteiro e nessa época precisamos de um avanço de 11% – concomitante a um de 7% no Natal – para garantir um crescimento de 7% da indústria no ano”, lembra.

No começo deste ano, a expectativa era que o país tivesse um avanço de 15% na venda dos produtos, sendo 8% desse total a tomada de mercados dominados pelos brinquedos chineses. No entanto, a trajetória de queda do dólar foi fatal para a indústria.

“Não tem mais jeito. Todos os nossos brinquedos já foram lançados. Para recuperar este dano, só a estratégia do ano que vem”, lamenta Costa. Segundo os dados da Abrinq, os produtores nacionais perderam entre 6% e 7% de participação de mercado com o “carinho” do câmbio sobre os chineses, como menciona Costa. “O ano terminou para nós.”

Mesmo com o baque, Costa defende que não foi um ano ruim. A elevação do consumo foi sustentada majoritariamente pela elevação da renda média do brasileiro, possibilitando um salto do mercado.

Do portal Brasil Econômico
Você gostou deste artigo? Compartilhe:

Deixe seu recado