Warning: preg_match() [function.preg-match]: Unknown modifier 't' in /home/edufinan/public_html/wp-content/plugins/mobile-website-builder-for-wordpress-by-dudamobile/dudamobile.php on line 603
8 erros que os endividados devem evitar de todo jeito | Instituto de Educação Financeira

Finanças Pessoais, Notícias

8 erros que os endividados devem evitar de todo jeito

A angústia causada por problemas financeiros pode levar a atitudes impulsivas e prejudiciais

A angústia causada por dificuldades financeiras e pelo endividamento pode levar muita gente a agir por impulso e piorar sua situação. Pessoas fragilizadas são alvos fáceis para golpistas e podem acreditar em promessas mirabolantes, envolver a família de forma errada e transformar as dívidas em verdadeiras bolas de neve. Para voltar ao azul, é essencial trilhar as estratégias certas. Veja abaixo os principais erros cometidos por quem está em dificuldades financeiras:

1. Deixar de pagar contas e impostos essenciais

De acordo com Antonio de Julio, especialista em finanças pessoais da consultoria MoneyFit, sua experiência com pessoas em dificuldades financeiras mostra que um dos primeiros erros de pessoas nesta situação é deixar de pagar despesas como contas de água e luz, além de seguro saúde, seguro do carro e IPVA.

Ele lembra, no entanto, que no caso das contas de consumo, o não pagamento não apenas pode resultar no corte de um serviço essencial como também em multas que se acumulam e só tornam a dívida pior. Já em relação aos seguros e ao IPVA, em caso de roubo ou acidente de carro, ou mesmo de um problema de saúde, o prejuízo das despesas resultantes será muito maior.

A alternativa: Reduza o consumo de água e luz e corte apenas despesas realmente não prioritárias, como celular pós-pago (você pode mudar para o pré-pago, por exemplo), TV a cabo, lavagem do carro em lava-rápidos e, é claro, lazer. “Se a situação estiver ruim, é a lei seca mesmo. Faça o máximo de coisas em casa e ponha a família para participar. Muita gente tem medo de contar à família que a situação financeira está ruim, por sentir como se fosse um fracasso. Mas não é, não falar pode ser muito pior”, diz Antonio de Julio.

2. Usar as linhas de crédito mais rápidas e fáceis oferecidas pelo banco

As linhas de crédito campeãs da inadimplência também são perfeitas para agravar a situação dos endividados: rotativo do cartão de crédito e cheque especial não só são os empréstimos mais caros como são facílimos de usar e ótimos para tornar a dívida uma bola de neve. No mês de julho, a taxa de juros média cobrada nos cartões de crédito chegava a 10,69% ao mês ou 238,30% ao ano; já o cheque especial custava 8,26% ao mês e 153,8% ao ano.

Além disso, não caia na armadilha de sacar ou pagar contas pelo cartão de crédito, pois esses serviços são tarifados. E não pague apenas o mínimo da fatura do cartão. Ao fazer isso, o restante da dívida continua sendo rolado para os próximos meses e sofrendo a ação dos juros; seu limite, por sua vez, será restabelecido, permitindo que você gaste ainda mais. Se você não tem como pagar, simplesmente não pague nada. A dívida continuará sofrendo a ação dos juros, mas ao menos seu limite não será restabelecido, impedindo novas despesas.

A alternativa: Renegocie suas dívidas no seu banco. Dívidas altas no cartão de crédito e no cheque especial podem ser unificadas e trocadas por linhas de crédito mais longas e com juros menores, como empréstimo consignado (com desconto em folha de pagamento), empréstimo pessoal, penhor de joias (na Caixa), ou mesmo empréstimos com o seu carro ou casa como garantia. Renegociar a dívida em outra agência que não seja a sua pode ser uma boa estratégia, uma vez que os gerentes competem entre si. Caso consiga taxas de juros menores em outra instituição financeira, você pode até mesmo migrar sua dívida para outro banco sem custo.

3. Manter investimentos e bens enquanto se afunda em dívidas altas

Há aqueles que, mesmo endividados até o pescoço permanecem com dinheiro na poupança ou outras aplicações financeiras. Contudo, empréstimos costumam ter juros maiores do a rentabilidade dos investimentos, principalmente quando se fala de poupança ou renda fixa conservadora. Mesmo quem não tem aplicações financeiras muitas vezes tem um imóvel, carro ou outro bem que poderia ser vendido para quitar a dívida.

Alternativas: Quem estiver com dívidas altas e dificuldade de pagá-las apenas com os rendimentos deve considerar, antes de tudo, se desfazer das aplicações financeiras para quitá-las. “A prioridade deve ser quitar a dívida, e apenas depois se deve repor o que foi desinvestido, em uma espécie de reembolso a si mesmo”, diz Antonio de Julio. Caso o dinheiro investido não seja suficiente e nem a renegociação da dívida dê jeito, considere vender o carro ou a casa, trocando-os por opções mais baratas (ou, no caso do carro, ficando a pé mesmo por um tempo).

4. Pôr seus bens em risco

Quem precisa quitar dívidas de alguns milhares de reais pode vender a casa ou o carro, ou mesmo hipotecá-los em busca de juros mais baixos. Mas há quem se apresse e acabe piorando a situação. Não faça empréstimos com bens em garantia nem os venda se você acha que ainda assim pode não ter capacidade de acabar com o débito ou pelo menos reduzi-lo substancialmente. Do contrário, você pode perder o bem e ficar com a dívida – ou vendê-lo e se endividar novamente.

A alternativa: trocar a dívida cara por uma que tenha carro ou imóvel como garantia será interessante para quem souber que pode honrar o compromisso nessas novas condições. “Se a situação de dificuldade financeira é fruto de um tropeço, esta pode ser uma solução. Agora, se a pessoa é perdulária, está desempregada há muito tempo, queimou tudo que recebeu de herança ou está sempre se endividando para pôr em prática ideias mirabolantes que só dão prejuízo, melhor tomar cuidado com esse tipo de empréstimo”, diz Antonio de Julio. O mesmo vale para a venda de bens.

5. Arriscar o pouco que tem em “tacadas de mestre”

Outro erro bastante comum aos angustiados é aplicar os poucos recursos que têm em “grandes negócios” para conseguir retornos altos rapidamente. Alguns vão para a Bolsa e tentam operar ações no curto prazo; outros vão para o mercado futuro e tentam operar derivativos. Há ainda aqueles que caem na lábia de golpistas que prometem rentabilidade alta e definida em investimentos mirabolantes.

“Jamais entre na Bolsa visando o curto prazo, principalmente se você é inexperiente”, observa Antonio de Julio. Em relação aos derivativos, o especialista faz outro alerta: “Nessas operações, você pode acabar perdendo mais do que investiu e ficar devendo”. Em relação aos investimentos mirabolantes que prometem altas rentabilidades, fuja deles. Não acredite em promessas de rentabilidade, pois nenhuma aplicação altamente rentável pode, de fato, prometer retornos definidos, especialmente quando se trata de investimentos em empresas ou em renda variável.

A alternativa: Invista apenas quando estiver livre de dívidas. Enquanto a situação financeira está apertada, destine todo dinheiro que entrar ao pagamento do débito. Ao investir, procure apenas instituições e profissionais certificados, e não se apresse: busque informação e aconselhamento profissional e leia sempre sobre os fatores de risco de cada aplicação.

6. Pedir dinheiro a parentes, amigos e até estranhos

Dependendo da relação familiar, da amizade e do valor envolvido, pedir dinheiro emprestado a parentes e amigos pode ser muito melhor do que renegociar uma dívida. Em geral, esse tipo de empréstimo não envolve a cobrança de juros – até porque, na realidade não é lícito cobrar juro quando não se tem autorização do Banco Central – e a relação de confiança pode tornar a situação mais segura e confortável para o devedor.

No entanto, empréstimo entre pessoas conhecidas é geralmente desaconselhado por especialistas em finanças, uma vez que a relação de confiança pode ser fortemente abalada, junto com os laços familiares e de amizade.

Em relação a aceitar empréstimos de desconhecidos, Antonio de Julio é enfático: “Jamais peça empréstimo a fontes não reconhecidas pelo Banco Central. E isso vale não apenas para parentes e amigos, mas também para agiotas e instituições não reconhecidas, com promessas boas demais para ser verdade, como ‘empresto dinheiro a pessoas negativadas’ ou ‘sem consulta ao SPC ou Serasa’”, diz.

A alternativa: Se precisar pedir dinheiro emprestado, renegociar dívidas ou fazer a portabilidade de um financiamento, recorra sempre a instituições financeiras reconhecidas pelo Banco Central, venda bens e resgate aplicações financeiras. Só peça dinheiro emprestado a parentes e amigos se tiver um plano para quitar a dívida de fato, e faça um contrato, para resguardar seu credor e ratificar seu compromisso. E não se esqueça de declarar o empréstimo ao Leão, ainda que seja informal.

7. Aceitar empregos que parecem negócios imperdíveis

Quem está desempregado, ou mesmo infeliz com o trabalho, pode acabar caindo no papo de falsos headhunters que prometem dinheiro fácil ou mesmo uma sociedade lucrativa mediante o pagamento de uma comissão. “Verdadeiros headhunters não são remunerados dessa forma. Eles são pagos pela empresa que os contrata para buscar os profissionais no mercado”, explica Antonio de Julio.

Mesmo promessas legítimas de uma segunda fonte de renda podem ter resultados desastrosos. Um exemplo são as empresas que trabalham com sistema de marketing multinível, em que os vendedores ganham um percentual sobre o que as pessoas indicadas por eles vendem. Esse tipo de negócio requer um investimento inicial que pode não ser recuperado caso as vendas do vendedor ou das pessoas que ele indicou não sejam suficientes. Dado o risco, esse tipo de trabalho é pouco indicado para quem está com a corda no pescoço.

A alternativa: Na busca de uma segunda fonte de renda, aproveite seus talentos, paixões e conhecimentos técnicos para ganhar dinheiro extra sem precisar de um alto investimento inicial.

8. Acreditar em promessas de “limpar o nome” sem pagar a dívida

Estranhos que prometem “salvar sua vida” no momento de dificuldade financeira quase sempre são golpistas. Um golpe bastante comum é a promessa de “limpar o nome” sem precisar quitar a dívida, mediante remuneração ou a compra de material que orienta sobre como fazê-lo.

A alternativa: A única forma de “limpar o nome” é por meio da renegociação da dívida com o credor, o que pode ser feito por intermédio de uma entidade de defesa do consumidor. São apenas negociadas novas condições, como prazo ou taxa de juros, mas o pagamento da dívida continua necessário. Qualquer promessa de “limpar o nome” sem pagar é golpe.

Do Portal Exame
Você gostou deste artigo? Compartilhe:

2 comentários to “8 erros que os endividados devem evitar de todo jeito”

  1. Eu estava meio sumido do seu site e quando volto já leio um artigo muito bom!

    Obrigado por compartilhar, Jurandir.

    Um abraço.
    Renato Martins.

  2. Gostei das recomendações, meu marido está passando por uma situação parecida.

Deixe seu recado