Warning: preg_match() [function.preg-match]: Unknown modifier 't' in /home/edufinan/public_html/wp-content/plugins/mobile-website-builder-for-wordpress-by-dudamobile/dudamobile.php on line 603
5 dicas estratégicas para você negociar suas dívidas | Instituto de Educação Financeira

Finanças Pessoais, Notícias

5 dicas estratégicas para você negociar suas dívidas

A facilidade de pagamento que as lojas oferecem, o pagamento do valor mínimo nas faturas de cartão de crédito e o excesso de compras podem resultar em grandes dívidas para o consumidor, já que muitos acabam perdendo o controle e não conseguem liquidar os débitos. Pensando nesta parcela da população, que só no mês de maio subiu 4,32% de endividados, o economista e professor de finanças, Richard Rytenband, explica alguns dos métodos que as credoras disponibilizam para a negociação.

Organize-se

Liste todas as dívidas que possui, priorize sempre as com a maior taxa de juros para evitar o efeito bola de neve, que começa a crescer de forma descontrolada e torna-se impagável. “Dependendo do tamanho da sua dívida, venda algum bem material, assim, será possível pagar ou amortizar parte da dívida, sem se enforcar cada vez mais”.

Procure um bom momento para negociar

Negociar uma dívida, seja no cartão de crédito, comércio ou outro tipo de instituição financeira, é sempre um bom negócio para ambos. Pois esta negociação permite que o devedor pague menos juros e aumenta as chances da empresa receber o valor devido.

No momento atual, com as taxas de juros em queda, podemos considerar este período como o ideal para exigir melhores condições na hora da negociação. Uma forma eficiente são as empresas que oferecem renegociação coletiva, que reúnem uma série de devedores do mesmo credor e renegociam todas as dívidas em uma única proposta. As empresas são especializadas e cobram um percentual do valor que conseguiram economizar na dívida.

Procure a melhor proposta

No caso de cartões de crédito existem formas que auxiliam na hora de quitar os débitos, muitas instituições aceitam a portabilidade da dívida oferecendo melhores condições do que o credor original. Outra solução é: ao entrar em contato com a central de atendimento do cartão, peça para falar diretamente com o setor de cobranças. Normalmente, o atendente faz uma primeira proposta e esta não é a mais vantajosa.

Não espere a dívida deixar de existir

Infelizmente, muitos acreditam que depois de cinco anos, a dívida não negociada e não paga “caduca”, o que não é verdade. O nome do devedor apenas sai da lista das empresas de análise de crédito, mas o consumidor ainda terá restrições com as credoras.

Cumpra seus compromissos

Outro passo é ter consciência financeira e saber que a partir do momento que se negocia uma dívida, será preciso arcar com o valor mensalmente, para que a negociação não seja em vão. “Não adianta aceitar uma proposta que não poderá ser cumprida, mesmo que o credor no primeiro momento insista que não tem como facilitar mais. O credor tem todo interesse em receber, lembre-se disso”, alerta o economista.

As credoras oferecem muitas formas de negociação, muitas dívidas podem ser reduzidas em até 50%, além de ser refinanciadas com juros mais baixos e com uma boa condição de pagamento para cada devedor. “E não esqueça de solicitar o CET (Custo Efetivo Total) da dívida, que mostra os juros, as taxas e impostos que serão cobrados. O fornecimento desta informação é obrigatório por lei”, conclui Rytenband.

Do portal Administradores
Você gostou deste artigo? Compartilhe:

Deixe seu recado